Sexta-feira, 10 de Junho de 2011
Rádio Blogue

 

Este fim-de-semana, o Rádio Blogue faz as suas despedidas. A partir de uma crónica semanal de Carla Hilário Quevedo, publicada no jornal Metro e no nosso blogue, o programa feito ao longo de mais de três anos apelou à participação de ouvintes e leitores. Comentários e reflexões, nesta última edição...

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 10 de Junho- 11.35/ 17.40

Domingo, 12 de Junho- 18.35



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (7)

Sexta-feira, 3 de Junho de 2011
Rádio Blogue: rádio blogue

 

Em final de semana recuperamos os comentários à campanha eleitoral...

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 3 de Junho- 11.35/ 17.40

(Devido às eleições, a segunda redifusão de domingo não irá para o ar dia 5 de Junho.)

 

Na próxima semana, o Rádio Blogue faz as suas despedidas e a última crónica de Carla Hilário Quevedo é, a propósito, dedicada a este espaço de opinião e de confronto de ideias. "Foi tão bom para vocês como foi para mim?" Deixe o seu comentário mais abaixo ou através do 21. 351. 05. 90, através de mensagem de voz, até às 16h da próxima 5ªf. A crónica de Carla Hilário Quevedo é publicada aqui em parceria com o jornal Metro.

 

Rádio Blogue

A ideia do Rádio Blogue partiu do Sérgio Coimbra, que me propôs escrever uma crónica que pudesse ser lida no Meia-Hora, e depois no Metro, e ouvida na Rádio Europa. A presença da crónica em vários meios tinha por objectivo o convite à participação de leitores e ouvintes. Podiam fazê-lo por telefone, através do 21 351 05 90, deixando uma mensagem de voz, ou por escrito no blogue da Rádio Europa jazza-memuito.blogs.sapo.pt. Do projecto inicial não fazia parte o programa de rádio que esta semana termina. O convite para comentar as participações partiu da directora da Rádio Europa, Antonieta Lopes da Costa, que não se comoveu com as minhas desculpas de inexperiência radiofónica. O programa apresentava uma dificuldade principal: como falar sobre comentários de outras pessoas a um tema inicialmente escolhido e analisado por mim? Escolhia o tema, dava a minha opinião e, como se fosse pouco, ainda fazia observações sobre os comentários dos participantes. Havia o risco de o Rádio Blogue se tornar uma partida de pingue-pongue decidida inevitavelmente a meu favor. Foi assim que tornei os textos mais descritivos e menos opinativos. Nem sempre foi possível, mas tentei. O título era o tema da semana e a liberdade para comentar era total. Ou quase total. Nestes mais de três anos, o Rádio Blogue terá recebido cinco comentários insultuosos, que foram apagados do blogue e do atendedor de chamadas. A razão para apagar esses comentários foi simples: o insulto exige como resposta o silêncio. Ou muita paciência para explicar. E não eram adequados silêncios num programa de rádio nem longas explicações. Além destes comentários, não foram incluídos os que chegaram depois da gravação e participações por telefone com uma qualidade de som muito fraca. Salvo estas, todas foram admitidas, das mais simpáticas às mais zangadas. Agradeço a todos a participação civilizada e, na maior parte dos casos, bem escrita, bem falada, bem pensada. Agradeço à Antonieta Lopes da Costa a divergência alegre e honesta. Muito obrigada à Betânia Valente, à Filipa Paramés, à Mafalda Costa e à restante equipa da Rádio Europa. Foi tão bom para vocês como foi para mim?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (11)

Quinta-feira, 21 de Abril de 2011
Rádio Blogue de regresso a 28 de Abril

 

Este fim-de-semana revemos as opiniões sobre o crédito fácil...

 

Com Carla Hilário Quevedo e Filipa Paramés

6ª, 22 de Abril- 11.35/ 17.40

Domingo, 24 de Abril - 18.35

 

A crónica de Carla Hilário Quevedo regressa de hoje a oito dias, em parceria com o jornal Metro.



publicado por jazza-me
link do post | comentar

Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010
Rádio Blogue: Contos do Vigário

GNR adverte população isolada (daqui)

 

Este fim-de-semana revemos as opiniões que nos chegaram sobre a educação sexual nas escolas...

 

com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 24 de Setembro- 10.35/ 19.35

Domingo, 26 de Setembro- 18.35

 

Para os próximos dias, a cronista Carla Hilário Quevedo traz a debate a questão das burlas, burlões e suas vítimas. O texto abaixo é publicado aqui em parceria com o jornal Metro. Deixe a sua opinião, se preferir, através do 21.351.05.90, até às 16h da próxima 5ªf.

 

Contos do vigário

Um sujeito engravatado abordou uma septuagenária na rua fazendo de conta que a conhecia do banco. «Nunca mais apareceu na Caixa.» A septuagenária, que tinha conta na Caixa e pouca memória para caras, parou e respondeu como se tivesse sido apanhada em falso que realmente não, há muito que não ia ao banco. «Peço para me transferirem o ordenado, sabe?» A culpa leva ao excesso de partilha de informações. O sujeito engravatado continuou e informou a senhora de que o código do cartão tinha mudado. Prestável como poucos, disponível no meio da rua, propôs que fossem ambos ao Multibanco mais próximo. Ou melhor, que fossem os três: ele próprio, funcionário dedicado, a senhora amnésica e culpada, e o cartãozinho a precisar de actualização. Felizmente, a septuagenária era viva e mandou o sujeito engravatado dar uma volta. É esta vivacidade que falta aos casais de velhotes que entregam as poupanças de uma vida ao primeiro vigarista que aparece nas redondezas. O mesmo discernimento salvífico está ausente naqueles que adquirem com alegria a Ponte sobre o Tejo e assinam papéis para serem os dignos proprietários da Torre de Belém. Ser enganado faz parte da vida, mas há histórias de engano mais rocambolescas que outras. Dois belgas abordaram o BCP, a Câmara Municipal de Évora e uma empresa de construção civil com a intenção de pedir financiamento para a construção de uma fábrica de aviões. Um dos sujeitos apresentava-se como o Príncipe da Transilvânia e o cúmplice como cavaleiro do Principado da Transilvânia. Em Évora, nada disto soou mal, pois a autarquia até lhes chegou a ceder o direito de superfície de uma área de 2600 metros quadrados junto ao aeródromo local. Certamente por receio de os títulos não serem assaz sonantes para enrolar os do BCP, os dois alegados vampiros ainda se fizeram acompanhar de uma ministra da República do Congo, que estaria interessada em comprar os aviões fabricados em Portugal. Qual septuagenária viva, o BCP ouviu e chumbou a proposta. Os dois belgas estão a ser julgados por cinco crimes de burla qualificada. Os portugueses já foram mais fáceis de enganar?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (4)

Sexta-feira, 6 de Agosto de 2010
Rádio Blogue: Férias

(Fotografias daqui)

 

No último Rádio Blogue antes das férias ouvimos as opiniões que nos chegaram sobre a proibição das touradas...

 

com Carla Hilário Quevedo e Betânia Valente

6ªf, 6 de Agosto- 10.35/ 19.35

Domingo, 8 de Agosto- 18.35

 

O Rádio Blogue regressa no início de Setembro, em parceria com o jornal Metro e com as crónicas de Carla Hilário Quevedo.

 

(Nota: o destaque ao Jazz em Agosto ouve-se, esta 6ªf, excepcionalmente, depois das 11h.)



publicado por jazza-me
link do post | comentar

Sexta-feira, 11 de Junho de 2010
Rádio Blogue: Férias!

 

O espaço de opinião Rádio Blogue vai de férias e regressa dia 17 de Junho com novo tema, num texto assinado, como sempre, por Carla Hilário Quevedo, em parceria com o jornal Metro.



publicado por jazza-me
link do post | comentar

Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010
Rádio Blogue: Abusos da Lei

                    (imagens daqui e daqui)

 

Em final de semana reflectimos sobre conversas privadas...

 

com Antonieta Lopes da Costa e Carla Hilário Quevedo

6ªf, 12 de Fevereiro- 10.35/ 19.35

Domingo, 14 de Fevereiro- 18.35

 

Abusos da lei é o tema proposto por Carla Hilário Quevedo em parceria com o jornal Metro. Diga-nos o que pensa mais abaixo ou através do 21.351.05.90 até à próxima 5ªf, às 16h.

 

Abusos da lei

A entrada da nova Lei em Abril de 2007 permitiu que conhecêssemos a realidade dos números de interrupções voluntárias da gravidez. Segundo dados avançados pelo Diário de Notícias, a partir de Julho de 2007, realizaram-se 6287 abortos. Em 2008, 15960. A Direcção-geral de Saúde divulgou os dados do primeiro semestre de 2009, que apontam para 9667. No ano passado, na Maternidade Alfredo da Costa, 1425 das 1632 mulheres que interromperam a gravidez não usavam qualquer contraceptivo. A propósito desta percentagem elevada, Jorge Branco, coordenador do Plano Nacional de Saúde Reprodutiva, declarou ao Diário de Notícias que «[é] incrível a desresponsabilização de alguns casais» e manifestou a sua preocupação com o facto de uma parte considerável dos casos (468) serem de mulheres que não abortavam pela primeira vez. A lei a favor da interrupção voluntária da gravidez foi recebida com aplausos e críticas. Uma das reservas que apareceu na altura da discussão que antecedeu o referendo foi precisamente a de esta lei poder vir a permitir exageros e o aborto vir a ser usado como um método contraceptivo. Admito que nunca acreditei que tal fosse possível. Nem tanto por causa das dúvidas morais de cada um, mas porque, desde os preservativos à pílula do dia seguinte, a sociedade não podia ter mais meios para impedir a gravidez. Mas face aos números que agora se conhecem, há que assumir as falhas na prevenção e perceber, como referiu o director executivo da Associação para o Planeamento da Família, Duarte Vilar, «em que situações é que as mulheres correm riscos e se estão conscientes desse risco». O risco não é, evidentemente, apenas o da gravidez indesejada. Helena Sacadura Cabral, no seu blogue Fio de Prumo, a propósito da reincidência na interrupção da gravidez, pergunta o que pensam fazer as autoridades sanitárias para corrigir e alterar esta situação. Estamos perante um problema de ignorância, indiferença ou abuso da lei?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (10)

Quinta-feira, 8 de Outubro de 2009
Rádio Blog

 

(imagem daqui)

 

No Rádio Blog de hoje recuperamos os comentários do tema a imagem dos advogados.

 

Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 9 de Outubro - 10h35/ 19h35

Domingo, 11 de Outubro- 18h35

 

Roman Polanski é o tema proposto por Carla Hilário Quevedo para os próximos dias, em parceria com o jornal Metro. Deixe-nos o seu comentário mais abaixo ou através do 21.351.05.90 até 5ªf, às 16h.

 

 

Em 1977, Roman Polanski foi detido e acusado de ter violado uma rapariga de 13 anos. Na altura o realizador polaco declarou-se culpado, mas antes de ouvir a sentença, fugiu dos Estados Unidos, país ao qual nunca mais regressou. Passaram mais de trinta anos, a vítima, Samantha Geimer, entretanto perdoou publicamente ao agressor e continuou a sua vida. Indiferente ao perdão da vítima, o tribunal não encerrou o caso. A sentença manteve-se em suspenso, e as autoridades tentaram várias vezes deter Polanski em deslocações a festivais de cinema, por exemplo, à Tailândia ou a Israel. Há poucas semanas, quando chegou à outrora neutra Suíça, acabou finalmente por ser detido. Roman Polanski é, para resumir, um fugitivo à justiça que foi apanhado. Aparentemente há questões mais difíceis de resolver que esta. Polanski era apanhado e extraditado para Los Angeles, onde seria julgado e cumpriria a pena que tinha a cumprir. A pena, entretanto, pode ir até aos cinquenta anos na prisão. Não querer cumpri-la foi o que levou Polanski a fugir, mas passado tanto tempo, talvez agora algum amigo do realizador talvez lhe pudesse dizer que o mais sensato seria aceitar a inevitabilidade do destino. Mas os amigos europeus de Polanski resolveram alegar o argumento da superioridade dos artistas sobre os comuns dos mortais e aqui tudo se complica. Pedro Almodovar, Monica Bellucci, Ettore Scola e Wim Wenders são algumas das pessoas que afirmam que um artista como Roman Polanski não deve ser incomodado com pormenores jurídicos irrelevantes. O argumento de que um realizador talentoso pode estar acima da lei é inaceitável para grande parte da opinião pública. Luc Besson demarcou-se desta posição, alegando que ninguém pode ficar de fora do sistema de justiça, nem um realizador galardoado com um Óscar. O que pensa deste caso? Os artistas têm razão em exigir um tratamento especial perante a lei? Os casos de abusos a menores devem prescrever?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (11)

Quinta-feira, 17 de Setembro de 2009
Rádio Blogue: Gato Fedorento

 

 

 

Esta sexta-feira é dia de conhecermos as opiniões sobre a publicidade agressiva que nos foram chegando nos últimos dias.

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 18 de Setembro- 10.35/ 19.35

Domingo, 20 de Setembro- 18.35

 

Ao longo da próxima semana queremos saber o que pensa do programa Gato Fedorento Esmiúça os Sufrágios. O texto de Carla Hilário Quevedo é publicado mais abaixo em parceria com o jornal Metro. Os comentários podem ser feitos também através do 21.351.05.90 até 5ªf, às 16h.

 

Gato Fedorento

 

Pela primeira na história da televisão portuguesa, candidatos ao cargo de primeiro-ministro e outros políticos são submetidos ao temível teste da entrevista num programa humorístico. Gato Fedorento Esmiúça os Sufrágios é um programa diário da autoria de Ricardo Araújo Pereira, José Diogo Quintela, Tiago Dores e Miguel Góis e o seu sucesso de audiências pode apenas ser comparado a projectos anteriores do mesmo grupo de quatro «divertidos entertainers». O interesse do público português pelo Gato Fedorento tem aumentado ao ponto de se ouvirem suspiros por aqui e por ali e genuínas declarações de saudades quando o grupo resolve tirar umas sempre longas férias. O regresso com um programa diário de formato semelhante ao The Daily Show era um risco, e isto por razões práticas. A equipa de Jon Stewart é composta por cerca de trinta pessoas que pensam nas melhores piadas. No Gato Fedorento temos os nossos brilhantes quatro rapazes. Nada disto minimiza o talento em The Daily Show. Serve apenas para pôr complicações desconhecidas do público no seu devido lugar. Nos primeiros programas assistimos a duas entrevistas que confirmam o que cada espectador pensa sobre os principais intervenientes políticos. Por mim, fiquei surpreendida com a falta de à-vontade de José Sócrates. Tinha uma vaga esperança de que a postura que o Primeiro-ministro insiste em mostrar-nos fosse falsa. Afinal, é um bom exemplo de como ser igual a si mesmo não chega. Depois tivemos Manuela Ferreira Leite, que pelos vistos ocultou dos eleitores qualidades raras e preciosas como o sentido de humor e a capacidade de ironia. Manuela Ferreira Leite afinal não é assim tão autêntica quanto isso. Que bom! Permitam-me um desabafo: eu sabia! Naquele meio sorrisinho de troça pressentia que podia responder bem a Ricardo Araújo Pereira e passar com distinção no teste da entrevista satírica. O Gato Fedorento pode eleger o próximo primeiro-ministro de Portugal? É perigoso que os políticos sejam valorizados mais pelas suas prestações televisivas que pelos seus programas?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (3)

Quinta-feira, 10 de Setembro de 2009
Rádio Blogue: Publicidade agressiva

 

No primeiro programa da rentrée, o Rádio Blogue ouve as opiniões dos ouvintes sobre a importância dos debates eleitorais para as próximas legislativas.

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 11 de Setembro- 10.35/ 19.35

Domingo, 13 de Setembro- 18.35

 

Nos dias que aí vêm queremos saber o que pensa sobre a publicidade agressiva. O texto é, como sempre, de Carla Hilário Quevedo, publicado aqui e no jornal Metro. Pode dar-nos a sua opinião também através do 21.351.05.90 até à próxima 5ªf, às 16h.

 

Publicidade agressiva

 

A organização alemã sem fins lucrativos Regenbogen (Arco-Íris, em português) apoiou uma campanha publicitária de prevenção da sida que tem sido alvo de forte controvérsia. Concebido para assinalar o Dia Mundial da Sida no próximo dia 1 de Dezembro, o anúncio televisivo mostra um homem e uma mulher a ter relações sexuais até ao momento em que a cara do homem é revelada e vemos um sósia de Adolf Hitler. O slogan da campanha é «a sida é um assassino em massa». Estaline e Saddam Hussein foram as outras duas figuras escolhidas para aparecer nos cartazes da mesma campanha idealizada pela agência de publicidade de Hamburgo, Das Comitee. O anúncio protagonizado pelo sósia de Adolf Hitler foi entretanto retirado do YouTube e organizações como a britânica National Aids Trust expressaram o seu repúdio pelo modo como o anúncio estigmatiza os doentes com sida e apenas reforça o preconceito contra estas pessoas. Será culpa, será marketing, bom gosto não será certamente, mas a sida também mata assim. O pormenor que salta à vista é a utilização de Adolf Hitler numa campanha de publicidade alemã. Os alemães não são famosos pela subtileza mas são bem conhecidos pela culpa. O marketing não é menos agressivo que o que tem vindo a ser utilizado em campanhas de prevenção rodoviária. A mensagem acaba também por ser a mesma: tanto os acidentes de viação como a transmissão da sida têm responsáveis. E é esta responsabilização que escandaliza as organizações de luta contra a sida. A ideia de o contágio acontecer por decisão ou negligência criminosas raramente é mencionada e isso compreende-se. Há que educar as pessoas em vez de as alarmar. Estima-se que até agora mais de trinta milhões de pessoas por todo o mundo tenham morrido na sequência desta terrível doença. Apesar das campanhas de alerta e dos métodos de prevenção, a sida mata actualmente cerca de seis mil pessoas por dia. O que pensa desta campanha publicitária? O que significa comparar uma epidemia a um genocídio?

 

Para ver o vídeo mencionado acima clique aqui.



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (9)

Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009
Rádio Blogue: Debates Eleitorais

         Edição de Julho 2009                        (imagem daqui)

 

A rentrée, em 90.4 fm, traz mudanças para o Rádio Blogue, que passa a ser uma parceria com o jornal Metro. Os temas propostos, a cada semana, continuam, no entanto, a ser da autoria de Carla Hilário Quevedo, que assina o texto abaixo.

Nos próximos dias pode dar-nos a sua opinião sobre os debates eleitorais, a propósito das eleições legislativas de dia 27 de Setembro. Basta escrever mais abaixo ou deixar a sua mensagem em 21.351.05.90. Todas as opiniões são bem-vindas até à próxima 5ªf, às 16h.

 

Debates eleitorais

Depois da notícia chocante de nestas eleições não haver debates entre os líderes dos principais partidos com assento parlamentar, as três televisões uniram esforços para não deixar passar a oportunidade única de esclarecer os eleitores mais confusos e de acordar os mais anestesiados. Numa reunião tipicamente portuguesa, com oito horas de duração, o modelo dos debates e os respectivos pares de candidatos foram por fim conhecidos. Aos quinze minutos para as nove da noite dos próximos dias, assistiremos a dez debates, cada um de quarenta e cinco minutos, entre os candidatos a primeiros-ministros de Portugal; excepção feita para o último, a 12 de Setembro, uma espécie de choque de Titãs, que obrigará José Sócrates e Manuela Ferreira Leite a permanecerem juntos no mesmo local durante sessenta minutos. Das regras fixas para todos os canais faz parte um sorteio que determina quem se senta onde, a quem é feita a primeira pergunta e quem fala por último, apesar de não necessariamente melhor. Uma nota a favor deste modelo: os debates são curtos. A ideia de que «é pouco tempo para informar as pessoas» pode estar generalizada mas é falsa. Quanto tempo seria preciso para ficarmos esclarecidos? Oito horas? O candidato que não for capaz de dizer ao que vem nos cerca de vinte minutos limpos em cada confronto também nunca será capaz de o fazer em mais tempo. Esta é uma vantagem preciosa para espíritos sintéticos e incisivos como, por exemplo, o de Paulo Portas. Jerónimo de Sousa, José Sócrates e Francisco Louçã, todos intrinsecamente repetitivos, podem não ser tão beneficiados pela brevidade. Vinte minutos de ostensivas repetições são uma eternidade. Por ser uma forte candidata à vitória nestas eleições, muito é esperado de Manuela Ferreira Leite. Resta saber se as eleições são mesmo disputadas nestes dez combates televisivos. Qual é a capacidade de influência destes frente-a-frente? Vota mais na pessoa e não tanto no programa e muito menos no partido? Muda de ideias acerca dos candidatos depois de os ouvir a debater uns com os outros?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (5)

Quinta-feira, 16 de Julho de 2009
Rádio Blog: ASAE

 

As lutas de animais foram tema de debate ao longo dos últimos dias. Em vésperas de fim-de-semana ouvimos os comentários de todos...

 

com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 17 de Julho- 10.35/ 19.35

Domingo, 19 de Julho- 18.35

 

Entretanto, e antes das férias, temos novo desafio de Carla Hilário Quevedo em parceria com o jornal Meia Hora. Deixe-nos a sua opinião aqui ou através do 21.351.05.90.

 

ASAE

Sou das poucas pessoas neste País que respeita o trabalho da Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica. A acção da ASAE é essencial à protecção dos direitos dos consumidores. Ninguém se opõe ao encerramento de restaurantes com cozinhas imundas e supermercados que vendem carne podre. No entanto, a minha estima é posta à prova sempre que este respeitável organismo ensandece. Por exemplo, quando prende pessoas em rusgas a feiras, proíbe o uso de colheres de pau nos restaurantes ou escrutina bolas de Berlim nas praias. Os excessos da ASAE correm agora o risco de ser considerados inconstitucionais. O Tribunal da Relação considerou que o organismo não podia funcionar como uma polícia criminal. Ou seja, não tinha poderes para fazer detenções nem escutas telefónicas. Se o Tribunal Constitucional confirmar a decisão da Relação, muitos dos casos da competência da ASAE vão deixar de ter qualquer validade e as decisões podem vir a ser anuladas. Independentemente dos casos bem resolvidos ou absurdos protagonizados pela ASAE, a sua acção foi posta em causa. Concorda com a existência deste organismo tal como existe? No caso de ser inconstitucional, deverá todo o trabalho ir para o lixo? Que caso da ASAE achou mais ridículo e qual lhe pareceu o mais bem resolvido?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (7)

Sexta-feira, 10 de Julho de 2009
Rádio Blog: Lutas de animais

                                                                          (imagem daqui)

 

Em final de semana debatemos os Portugueses e os estudos sobre as nossas características- o tema proposto por Carla Hilário Quevedo em parceria com o jornal Meia Hora.

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 10 de Julho- 10.35/ 19.40

Domingo, 12 de Julho- 18.35

 

As Lutas de Animais é o desafio que propomos para os próximos dias. Deixe-nos a sua opinião mais abaixo ou através do 21.351.05.90.

 

Lutas de animais

A proposta de lei que vai responsabilizar criminalmente os donos de cães perigosos pelos seus ataques foi aprovada em Conselho de Ministros. O diploma permite desta forma «criminalizar os comportamentos correspondentes à promoção ou participação em lutas de animais, bem como a ofensa à integridade física causada por animal perigoso ou potencialmente perigoso, por dolo ou negligência do seu detentor». As penas podem ir até aos dez anos de prisão. Mas a votação deste diploma não reuniu tanto consenso como se esperaria. Toda a esquerda e o deputado Mendes Bota do PSD votaram a favor do documento, enquanto o PSD e o CDS se abstiveram. Esta abstenção foi notada com estranheza por Miguel Esteves Cardoso, no Público. Qual seria afinal o motivo para votar assim? Não é preciso muito para concluirmos que a proibição de lutas de animais e a condenação daqueles que instigam os cães à violência são medidas necessárias. O diploma parece do mais puro bom senso a qualquer pessoa, à excepção daqueles que treinam cães para a luta. Porque é que não pareceu importante aos partidos de direita dar uma opinião mais convicta sobre esta matéria? Como se podem opor a uma regulamentação que tem directamente a ver com a segurança de todos, inclusivamente dos próprios animais?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (7)

Sexta-feira, 3 de Julho de 2009
Rádio Blog: Estudos sobre os Portugueses

                                                                             Mapa de 1870 (daqui)

 

Esta manhã ouvimos as opiniões dos ouvintes sobre Denúncia e Responsabilidade, o tema da semana que agora termina...

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 3 de Julho- 10.35/ 19.40

Domingo, 5 de Julho- 18.35

 

Nos próximos dias queremos saber a sua opinião sobre os Portugueses. O texto abaixo vem assinado por Carla Hilário Quevedo e é publicado aqui em parceria com o jornal Meia Hora. Deixe o seu comentário aqui ou através do 21.351.05.90.

 

Estudos sobre os portugueses

Dois estudos recentes sobre os portugueses revelam resultados mais ou menos surpreendentes. O primeiro confirma um conhecimento ancestral sobre nós: somos pobres mas felizes. O segundo surpreende porque entra em contradição com o anterior: estamos mais individualistas, somos menos preconceituosos e não dávamos a vida por ninguém. Não sei como se chega a estas conclusões nem como são elaborados estes estudos, mas se me pedem para acreditar, eu acredito. Pobres e contentes é engraçado mas assim não vamos lá. Talvez seja hora de aceitarmos que uma dose saudável de infelicidade em troca de mais bem-estar material não é um pecado mortal. A esperança, aliás, está no resultado do segundo teste. O individualismo só faz mal a quem não o sabe usar. Não é por querermos ser autónomos que somos necessariamente uns egoístas insensíveis aos males do mundo. O curioso é que o diabolizado individualismo parece trazer consigo uma maior tolerância. Ora, afinal, o que vale mais? Pertencer ao mundo e ser intolerante ou perceber que só podemos dar aos outros se tivermos alguma coisa para dar? Quanto à peculiar questão de dar a vida por alguém, temos felizmente grandes avanços na medicina e já não há guerras que o justifiquem. Concorda com as conclusões destes estudos? Como vê os portugueses?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (3)

Sexta-feira, 19 de Junho de 2009
Rádio Blog: Mães adolescentes

                                                                      

Este fim-de-semana ouvimos os comentários de (quase) todos ao tema da semana que agora termina: a extrema-direita na União Europeia.

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 19 de Junho- 10.35/ 19.40

Domingo, 21 de Junho- 18.35

 

Para os próximos dias já temos novo tema de debate: as mães adolescentes e a justiça, a propósito do menino Martim e da sua mãe, Ana Rita Leonardo. O texto, que publicamos aqui em parceria com o jornal Meia Hora, é assinado por Carla Hilário Quevedo.

 

Mães adolescentes

A 26 de Fevereiro de 2007, as assistentes sociais de Cascais levaram o Martim para Refúgio Aboim Ascensão, em Faro, alegando que a mãe, Ana Rita Leonardo, de 13 anos, não teria condições para cuidar do filho. A criança entrou na instituição com cerca de dois meses de vida a pedido do tribunal. Em Julho de 2007, foi tomada a primeira decisão judicial no sentido de dar a criança para adopção. Na altura, a família recorreu com sucesso. Mas em Dezembro de 2008, na última visita de Ana Rita, a criança terá ficado emocionalmente perturbada e as visitas foram canceladas. Há seis meses que Ana Rita não vê o filho nem tem notícias dele. A 21 de Maio foi informada de que o Martim seria dado para adopção. Ana Rita, agora com 15 anos, suspendeu a greve de fome que iniciara há dias. O caso suscita várias questões e a primeira é saber se uma rapariga de treze anos é capaz de cumprir os seus deveres de mãe. Se no início Ana Rita duvidou, agora parece ter reunido as condições que lhe permitem cuidar do filho. Resta saber se a ordem do tribunal pode ser anulada. Estamos de novo perante um caso em que a celeridade do processo é decisiva. Uma mãe de treze anos é capaz de tomar uma decisão correcta? A justiça portuguesa tem a capacidade para decidir sobre o benefício da criança?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (6)

Quinta-feira, 4 de Junho de 2009
Rádio Blog: Susan Boyle

 

 

Chegados a sexta-feira ouvimos as opiniões de todos sobre o caso de Alexandra Tsyklauri, a menina que foi entregue recentemente à família biológica russa.

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf., 5 de Junho- 10.35

Domingo, 7 de Junho- 18.35

 

Nos próximos dias queremos saber a sua opinião sobre o caso da inglesa Susan Boyle, que participou no concurso televisivo Britain's Got Talent. O texto é assinado por Carla Hilário Quevedo e publicado aqui em parceria com o jornal Meia Hora. Os comentários podem ser feitos através do 21.351.05.90 ou mais abaixo.

 

Susan Boyle

A inglesa Susan Boyle, de 47 anos, viu a sua vida pacata e anónima mudar de um dia para o outro quando alguém a convenceu de que faria lindamente em participar no concurso Britain’s Got Talent. Alguma prima perversa terá insistido que tinha uma voz de rouxinol, omitindo a preciosa informação de que os concursos televisivos de talentos são, acima de tudo, cruéis. O rastilho do YouTube levou Susan Boyle aos lares de todo o mundo, entregando uma pessoa completamente normal, ou nada habituada a qualquer tipo de exposição, às garras maldosas dos juízos e comentários mordazes. No meio deste caos de avaliações talvez o mais destrutivo tenha sido a expectativa criada em torno do fenómeno Boyle. O triunfo do talento apesar do duplo queixo parecia ser a prioridade. A vitória de Susan Boyle significaria a derrota das Britneys de cana rachada. Felizmente, o povo é frívolo e votou contra Susan; salvando-a, de certa forma. Os quinze minutos de fama resultaram num esgotamento logo após a notícia do segundo lugar. Susan Boyle acabou no hospital. Como, aliás, qualquer pessoa que se preze em circunstâncias semelhantes. Susan Boyle é só um caso limite do que se passa com a maioria das estrelas ascendentes em concursos deste tipo? A televisão destrói as pessoas normais?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (8)

Quinta-feira, 14 de Maio de 2009
Rádio Blog: Bela Vista

                                                                           (imagem daqui)

 

A política em Portugal foi tema de discussão, na semana que agora termina, e os comentários de todos ouvem-se amanhã...

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf., 15 de Maio- 10.35

Domingo, 17 de Maio- 18.35

 

Nos próximos dias queremos saber o que pensa dos distúrbios em locais como o Bairro da Bela Vista. O texto que aqui publicamos, em parceria com o jornal Meia Hora, é de Carla Hilário Quevedo. Dê-nos a sua opinião mais abaixo ou através do 21.351.05.90, até às 16h de 5ªf.

 

Bela Vista

A 29 de Abril, depois de um carjacking em Palmela, Toninho Tchibone, de 23 anos, e o gangue fugiram para o Alvor, onde tencionavam roubar uma caixa de Multibanco. Mas o assalto correu mal e o jovem foi baleado na cabeça pela GNR. Morreu poucos dias depois no Hospital de São José, em Lisboa. Toninho morava no conhecido bairro da Bela Vista em Setúbal. Após o seu funeral, mais de 200 pessoas dirigiram-se para a PSP local e de imediato começaram as provocações, com carros e motos a passar em alta velocidade à porta da esquadra e pedras a serem atiradas à Polícia. Por causa da confusão instalada e do número concentrado de pessoas, setenta agentes foram destacados para montar protecção ao local. Momentos depois de as mais cerca de duas centenas de moradores terem dispersado, e de parecer que os tumultos tinham chegado ao fim, cocktails molotov caíram dos prédios em cima dos carros da Polícia. A guerra voltou ao bairro. Este foi o cenário violento da Bela Vista nos últimos dias. Há dois diagnósticos comuns para estes distúrbios: uns defendem que as causas são sociais, outros que são criminais. Qual é a sua opinião? Uma vez que é da responsabilidade do Estado zelar pela segurança dos cidadãos, porque é que a opinião pública tão poucas vezes apoia as forças de segurança?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (8)

Quinta-feira, 30 de Abril de 2009
Rádio Blog: Feira do Livro

                                                                        (imagem daqui)

 

O elogio da beleza natural é uma moda? As capas da edição francesa da revista Elle, de Abril, deram o mote ao tema da semana, em proposta de Carla Hilário Quevedo. Amanhã, apesar de feriado, ouvimos os comentários de todos.

 

Com Carla Hilário Quevedo e Betânia Valente

6ªf., 1 de Maio- 10.35

Domingo, 3 de maio- 18.35

 

A 79ª edição da Feira do Livro, aberta ao público até 17 de Maio, é o desafio dos próximos dias, em parceria com o jornal Meia Hora. Queremos saber se visita a Feira, se compra livros, se se interessa pelas actividades programadas, se lhe agradam os novos horários. As opiniões que nos chegarem até 5ªf, às 16h, através do 21.351.05.90 ou mais abaixo, ouvem-se à 6ªf, pela manhã.

 

Feira do Livro

Um pouco mais cedo que o costume, entre 30 de Abril e 17 de Maio, e com uma imagem renovada, Lisboa recebe a septuagésima nona edição da Feira do Livro. Mantendo o local, o Parque Eduardo VII, a grande mudança este ano diz respeito às horas de abertura e fecho. Entre segunda e quinta, as barraquinhas da Feira abrem do meio-dia e meia às oito e meia da noite. Entre sexta e domingo, o horário estende-se até às onze da noite. Em vez do habitual passeio depois do jantar, há que almoçar pelo Parque e comprar livros para a sobremesa. Outra diferença digna de nota é a presença da Feira do Livro no Facebook e no Twitter. No site e no blogue prometem estar disponíveis informações sobre a Feira, tais como sessões de autógrafos e livros do dia. O convidado de honra desta edição é o Brasil, país ao qual é dedicada uma Praça a que se juntam dois pavilhões, onde se realizam actividades promovidas pelo Ministério da Cultura do Brasil e pela Câmara Brasileira do Livro. Só espero que o renovado projecto inclua mais esplanadas ou locais para esticar as pernas e pousar os sacos dos livros entretanto adquiridos em cada barraquinha. Tem por hábito visitar a Feira do Livro? O que pensa do novo horário? Aproveita a Feira para comprar mais livros ou a diferença de preços não é significativa?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (5)

Quinta-feira, 23 de Abril de 2009
Rádio Blogue: Beleza natural

 

No próximo dia 7 de Junho somos chamados a participar nas Eleições Europeias. A importância desta votação foi tema de debate da última semana; amanhã é dia de ouvirmos os comentários de todos...

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf., 24 de Abril- 10.35

 

A beleza natural, a propósito da sessão fotográfica de Peter Lindbergh com Monica Belluci, Sophie Marceau e Eva Herzigova, é o desafio dos próximos dias. Como sempre, o texto é assinado por Carla Hilário Quevedo e publicado aqui em parceria com o jornal Meia Hora. As opiniões que nos chegarem (através do 21.351.05.90 ou por escrito) até 5ªf, às 16h, ouvem-se no programa de sexta-feira.

 

Beleza natural

A Elle francesa fez este mês três capas diferentes com Monica Bellucci, Eva Herzigova e Sophie Marceau sem um grãozinho de pó-de-arroz no rosto. As modelos apareceram de cara lavada e pouco penteadas numa edição dedicada ao elogio da beleza natural. Em vez de se recorrer a manequins de dezoito anos, a produtos de maquilhagem sofisticados e a maquilhadores e cabeleireiros experientes, o objectivo foi fotografar estas mulheres como se tivessem acabado de acordar. A técnica utilizada na reportagem consistiu em maquilhar as três modelos, como acontece em qualquer sessão fotográfica, tendo a maquilhagem sido removida com uma loção antes de a câmara começar a disparar. A loção desmaquilhante foi, segundo afirmou Peter Lindbergh, uma das responsáveis pela pele brilhante das três principais fotografadas para esta edição de Abril. É certo que a beleza não depende de batons mas também não depende de loções. São três mulheres muito bonitas: com ou sem «rouge», «anti-cernes» ou cremes especiais. Qual pode ser o objectivo da revista em promover um «look» sem retoques? As leitoras vão confiar no que vêem? Há lugar para preconceitos contra um excesso de beleza inalcançável promovido antes de mais pelas próprias revistas femininas? Ou a beleza natural é só mais uma moda?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (5)

Quinta-feira, 12 de Março de 2009
Rádio Blog: Metrossexuais

                                                                       David Beckham (fotodaqui)

 

Como combater o desânimo face à crise era o tema da semana no Rádio Blog (leraqui) e amanhã contamos com Carla Hilário Quevedo na rádio para ouvirmos as sugestões de quem nos escreveu.

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf., 13 de Março- 10.35

 

Entretanto pode começar a escrever-nos, mais abaixo, ou ligar-nos para o 21.351.05.90 e deixar-nos a sua opinião sobre os Metrossexuais. O texto que publicamos aqui, em parceria com o jornal Meia Hora, é da autoria de Carla Hilário Quevedo, como sempre.

 

Metrossexuais

Por causa de uma reportagem na SIC sobre metrossexuais, dei por mim a pensar que o sexo masculino caminha depressa para a extinção. Caras senhoras e meninos, vivemos num mundo em que rapazolas de vinte e poucos anos arranjam as sobrancelhas. Se este não é um sinal bem claro da decadência do sexo oposto, vou ali comer uma mioleira de vaca e já venho. Aos que afirmam que os homens devem ter cuidados especiais com o corpo, ir à depilação, à pedicure, cuidar da pele, com máscaras e «peelings», só posso concordar que ser mulher é muito divertido, sim. Mas será que estes homens de pés arranjadinhos tratam bem as mulheres? Em vez de acertar as sobrancelhas não deviam antes emendar as maneiras? Tive saudades de uma época recente em que um homem era ridicularizado se ia a um cabeleireiro cortar o cabelo, em vez de ir ao barbeiro. Talvez a ideia errada de que um homem, para o ser, tinha de se apresentar como um brutamontes barrigudo tenha levado a este estado de coisas muito lamentável. Entre a depilação integral e a contagem minuciosa das calorias ingeridas, os metrossexuais não suscitam nenhuma curiosidade; pelo contrário, são tidos como invasores em território feminino. O que leva um rapaz a preocupar-se com cutículas e pilosidade a mais? Já não há homens?



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (11)

Quinta-feira, 5 de Março de 2009
Rádio Blog: como combater o desânimo em época de crise?

 

                                                                      (imagem daqui)

 

Amanhã ouvimos os comentários sobre Jade Goody, uma ex-participante polémica de um reality show. Jade está na fase terminal de um cancro e decidiu vender os direitos de transmissão dos seus últimos dias de vida a uma cadeia de televisão.  Assim pode assegurar um futuro mais recheado para os dois filhos...

 

Com Carla Hilário Quevedo e Filipa Paramés

6ªf., 6 de Março - 10h35

 

O que fazer?

O Presidente do Grupo Jerónimo Martins, Alexandre Soares dos Santos, em entrevista à SIC Notícias, afirmou que a Polónia em breve ultrapassará Portugal no ranking de crescimento dos países da União Europeia. A explicação que apresentou para um fenómeno que julgaríamos impossível até há bem pouco tempo é simples: os polacos são muito determinados, trabalham em conjunto pelo desenvolvimento do país e querem viver melhor. Alexandre Soares dos Santos, dando provas de lucidez, bom senso e patriotismo, referiu ainda que os portugueses gostam de trabalhar mas que muitas vezes não são reconhecidos monetariamente no seu trabalho, além de não serem incentivados a melhorar nas suas actividades. Uma pessoa que ganhe o salário mínimo sem nenhuma perspectiva de aumento muito dificilmente tem motivação na sua vida. O conhecido desânimo português é um problema real e não se dissocia de uma questão prática: se as empresas não estimulam os trabalhadores não há nada por que progredir. Criar em si próprio o brio e a perseverança necessários à melhoria, tanto pessoal como do país, passa também por ganhar salários mais altos e mais incentivos. Como podem os empresários combater o desânimo e incentivar as pessoas numa época de crise profunda?

 

O texto de Carla Hilário Quevedo é publicado aqui e no jornal Meia Hora. Deixe o seu comentário neste post ou através do 21.351.05.90 até às 16h da próxima 5ªf.



publicado por jazza-me
link do post | comentar | ver comentários (6)


Rádio Blog
Carla Hilário Quevedo
Metro - Rádio Europa Lisboa
Tema da semana: Rádio Blogue.
Comente aqui ou em 21 351 05 90.
A sua voz vai para o ar :
6ª feira, 11h35/17h40
Domingo, 18h35






Rádio Europa Lisboa
Rua Latino Coelho, 50 - 1º
1050-137 Lisboa, Portugal
Tel.: 21 351 05 80

Email   Estamos no Facebook   Siga-nos no Twitter
Emissão online:

clique para ouvir a emissão da europa


Rádio Blog
Carla Hilário Quevedo
Metro - Rádio Europa Lisboa
Tema da semana: Rádio Blogue.
Comente aqui ou em 21 351 05 90.
A sua voz vai para o ar :
6ª feira, 11h35/17h40
Domingo, 18h35



POSTS RECENTES

Rádio Blogue

Rádio Blogue: rádio blogu...

Rádio Blogue de regresso ...

Rádio Blogue: Contos do V...

Rádio Blogue: Férias

Rádio Blogue: Férias!

Rádio Blogue: Abusos da L...

Rádio Blog

Rádio Blogue: Gato Fedore...

Rádio Blogue: Publicidade...

Rádio Blogue: Debates Ele...

Rádio Blog: ASAE

ARQUIVOS
TAGS

todas as tags

blogs SAPO
SUBSCREVER FEEDS