Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jazza-me muito...

O JAZZ SUBIU-NOS À CABEÇA!

O JAZZ SUBIU-NOS À CABEÇA!

jazza-me muito...

22
Nov10

Discofonia

jazza-me

Manfred Eicher (fotos daqui e daqui)

 

Manfred Eicher, fundador da editora ECM- Editions of Contemporary Music, em 69, na Alemanha, criou um universo estético único, apurado ao longo de centenas de discos que tem vindo a produzir para a ECM. Do jazz das margens da Europa à música erudita contemporânea, a ECM é hoje a casa-mãe de músicos de inúmeras filiações estéticas, entre os quais se encontram Keith Jarrett, Dave Holland e Jan Garbarek. Aproveitando a passagem de Eicher por Portugal, onde foi homenageado no Estoril Film Festival 2010 com o documentário Sounds and Silence, realizado pelos suíços Peter Guyer e Norbert Wiedmer ao longo de cinco anos, conversamos com um produtor que ouve de forma diferente.

Os programas anteriores estão aqui.

 

Com Mafalda Costa

2ªf, 22 de Novembro- 18h

21
Nov10

100% Francês

jazza-me

 

Esta tarde descobrimos o novo disco de Tété, Le Premier Clair de L'Aube, que confirma o talento anunciado em L'Air de Rien (2001) e A La Faveur de L'Automne (2003). Para dar forma final às suas novas canções, o cantor senegalês instalou-se em Portland, nos Estados Unidos, rodeou-se de músicos experientes ao lado de Elvis Costello, Ron Sexsmith e Jackson Browne, e com o produtor Steve Berlin criou canções limpas de excessos e mais directas do que em registos anteriores. Swing, hedonismo e espiritualidade marcam o novo álbum de Tété.

A voz e a guitarra são a base de trabalho dos Archimède, grupo pop formado em 2006 pelos irmãos Nicolas e Frédéric Boisnard. Depois de um primeiro álbum, os Archimède criaram as canções originais deste segundo disco com uma mescla de influências que incluem os Rolling Stones e Jacques Dutronc. Chamam-lhe "pop franglo-saxonne".

Os programas anteriores estao aqui.

 

Com Ricardo de Matos

Domingo, 21 de Novembro- 16h

20
Nov10

Ao vivo

jazza-me

 

No Festivais de Outono de Aveiro há jazz, este fim-de-semana, com o pianista e compositor João Paulo Esteves da Silva, a solo. Dois dos discos recentes de João Paulo são justamente nesse contexto: Memórias de Quem (2007) e White Works (2009), este último com repertório de Carlos Bica, mas ambos com uma forte vertente improvisacional. Amanhã, domingo, 21 de Novembro, no Teatro Aveirense, a partir das 18h.

Abaixo, um registo do pianista a solo na Festa do Jazz do São Luiz.

 

 

A Casa da Música recebe esta noite o saxofonista Carlos Martins e o colectivo que gravou Água, o melhor disco de jazz português, em 2008, para a crítica nacional. Com Carlos Martins tocam Bernardo Sassetti (piano), André Fernandes (guitarra), Nelson Cascais (contrabaixo e baixo eléctrico) e Alexandre Frazão (bateria). Este sábado, 20 de Novembro, às 22h, na Sala 2 da Casa da Música.

Abaixo, um vídeo de Azul Mediterrâneo, tema incluído em Água.

 

 

Ainda a norte, o baterista alemão, radicado na Suíça, Gilbert Paeffgen leva o seu trio ao clube Jazz ao Norte. Jazz influenciado por sonoridades africanas e celtas, por um trio clássico de piano, com Oli Kuster, e contrabaixo, com Urban Lienert. Este sábado, 20, no Clube ao Norte, R. General Norton de Matos, 448, no Porto, a partir das 22h.

 

Gilbert Paeffgen

 

O ciclo Jazz à Marinha tem hoje o terceiro dos seus 4 concertos previstos, com o 5teto do pianista Pedro Nobre, formado a partir de um trio com Francisco Brito (contrabaixo) e Pedro Felgar (bateria), todos estudantes da Escola Superior de Música de Lisboa. A esta formação de base juntam-se dois músicos muitíssimo experientes: Jorge Reis (sax alto) e Luís Cunha (trombone), para uma noite de jazz contemporâneo.

 

Pedro Nobre

 

Sábado, 20, na Galeria Municipal da Marinha Grande, a partir das 22h, com entrada livre.

 

Edgar Wilson e Maria Viana

 

O pianista moçambicano Edgar Wilson, radicado na Alemanha, tocou já ao lado de músicos consagrados como Niels-Henning Ørsted Pedersen, Buddy DeFranco e Clark Terry, e dá ao swing e aos standards do jazz a mesma atenção que presta à música clássica. Está ao vivo este sábado, 20 de Novembro, com a cantora Maria Viana, no Centro Cultural da Malaposta, a partir das 21.30.

 

 

O pianista Tiago Sousa (piano, harmónico, teclado) volta a apresentar-se ao vivo em trio, com Ricardo Ribeiro (clarinete) e Baltazar Molina (percussão), antes de lançar o seu novo disco, Walden Pond's Monk, com edição prevista para o início de 2011. Este sábado, 20, na Trem Azul Jazz Store, Lisboa, às 21.30.

Acima, um vídeo do concerto do trio na Ler Devagar, em Lisboa.

 

Big Band da ESMAE, The Story

 

O Guimarães Jazz 2010 chega hoje ao fim com uma maratona de concertos, que começam com a parceria da Big Band da E.S.M.A.E., a orquestra formada por alunos da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto que, ao longo de uma década, tem interpretado repertório de Maria Schneider, Pedro Guedes, Paulo Perfeito, Carlos Azevedo e Carla Bley, entre muitos outros. Hoje apresentam os resultados do trabalho de uma semana de ensaios, com direcção do 5teto nova-iorquino The Story, constituído por Lars Dietrich (saxofne alto e electrónica), Samir Zarif (saxofones tenor e soprano), John Escreet (piano e rhodes), Zack Lober (contrabaixo e baixo eléctrico) e Greg Ritchie (bateria). Sábado, 20, no CCVF, às 18h.

 

New York Composers Orchestra (foto de Daniel Sheehan, daqui)

 

O concerto de encerramento do Guimarães Jazz 2010 pertence à New York Composers Orchestra, formada em 1986 por Wayne Horvitz e Robin Holcomb. Neste concerto, que assinala os 25 anos de existência da formação, juntam-se todos os seus membros fundadores e compositores originais, para interpretarem peças de Marty Ehrlich, Wayne Horvitz, Tom Varner, Robin Holcomb e Bill Frisell. Em palco vão estar Marty Ehrlich (saxofones e clarinetes), Doug Wieselman (palhetas), Andy Laster (sax barítono), Briggan Krauss (sax alto), Douglas Yates (palhetas), Ron Horton, Russ Johnson, Zubin Hensler (trompetes), Curtis Fowkles, Art Baron (trombones), Tom Varner (trompa), Lindsey Horner (contrabaixo), Bobby Previte (bateria), Robin Holcomb (piano e direcção) e Wayne Horvitz (direcção). Sábado, 20, no CCVF, às 22h.

O Festival encerra com uma jam session dos The Story, no Centro de Artes e Espectáculos de São Mamede, às 24h.

20
Nov10

As Vozes do Jazz

jazza-me

Cassandra Wilson, "Silver Pony", June Christy

 

Dois anos depois de Loverly, o trabalho com que voltou a conquistar um Grammy Award na categoria de Best Jazz Vocal Album, a aclamada Cassandra Wilson está de regresso aos discos, com o surpreendente Silver Pony, lançado há uma semana. Aos 54 anos, com 25 de carreira discográfica oficial, incluindo 20 álbuns a solo e inúmeras colaborações, a cantora, compositora e produtora norte-americana embarca agora numa nova aposta: um disco híbrido, entre gravações de estúdio e temas gravados ao vivo, durante a sua última digressão europeia. Silver Pony inclui um repertório composto de clássicos do jazz e pop e novas canções compostas por Cassandra Wilson e a sua banda. Um álbum que faz, esta semana, o nosso destaque de aberturas de hora - e que exploramos ao longo de oito canções do seu alinhamento.

Pelas meias-horas, no habitual segundo destaque das nossas emissões, aproveitamos o 20 de Novembro, data em que a cantora norte-americana June Christy faria 85 anos, para lhe dedicar uma retrospectiva. Uma das melhores e mais injustiçadas vozes do jazz das décadas de 1940 e 1950, primeiro com a Stan Kenton Orchestra e depois a solo, retirou-se oficialmente em 1965, sendo raras – mas muito aplaudidas – as vezes que voltou a palco, em ocasiões muito especiais. Entrou em estúdio pela última vez em 1977 e morreu em Sherman Oaks, na Califórnia, de complicações renais, aos 64 anos.

Nota ainda para a segunda edição da rubrica “Jazzismos”, um espaço feito de apropriações das vozes do jazz aos territórios da pop, do rock e até da música de dança, 'jazzando' hits dos tops de todos os tempos. Gretchen Parlato é a próxima convidada deste espaço, com Björk como ponto de partida. Para conferir às 22h15.

 

Com Ricardo Belo de Morais

Sábado, 20 de Novembro- das 20h às 24h

19
Nov10

Hoje, ao vivo

jazza-me

 

É hoje, já daqui a pouco, que a L.U.M.E.- Lisbon Underground Music Ensemble- apresenta ao vivo em Lisboa, depois de Coimbra, em Setembro passado, o seu disco de estreia, em edição da JACC Records. No palco do Lux vão estar Manuel Luís Cochofel (flauta), Rui Travasso (clarinete), Jorge Reis, João Pedro Silva, José Menezes, Rita Nunes (saxofones), Jorge Almeida, Pedro Monteiro, João Moreira (trompetes), Luís Cunha, Eduardo Lála, Pedro Canhoto (trombones), Yuri Daniel (baixo), André Sousa Machado (bateria) e Marco Barroso, compositor da big band (piano e direcção). Rui Eduardo Paes, editor da revista Jazz.pt, assina as liner notes do disco e sublinha que "alusões a tudo o que foram as big bands ao longo da evolução estética e técnica do jazz surgem neste tão aguardado disco do LUME, mas ficamos por aí no que respeita a ligações com a tradição. (...) O jazz pós-pós-modernista de Marco Barroso é uma representação do jazz modernista, e assim como o cachimbo de Magritte não é um cachimbo, mas um desenho representacional do dito objecto ("ceci n'est pas une pipe"), os jazzes que surgem ao longo do CD (dixieland, swing, be bop, funk-jazz, free, etc.) são "fakes" dos modelos adoptados." O concerto começa, no Cais da Pedra, às 22.30.

Abaixo um momento do concerto da L.U.M.E. no Lux, por altura das Lux Jazz Sessions, em 2008.

 

 

No Guimarães Jazz 2010 toca esta noite o pianista cubano Gonzalo Rubalcaba, um músico virtuoso que tem dois Grammy no seu percurso- um para melhor álbum de jazz latino do ano, por Supernova, e outro pela co-produção do disco Nocturne, com Charlie Haden, ambos em 2002. Esta noite é acompanhado por Yosvany Terry (saxofone), Mike Rodríguez (trompete), Matt Brewer (contrabaixo) e Ernesto Simpson (bateria), num concerto onde irá apresentar composições do seu novo registo, Faith, a lançar pela editora 5Passion, que criou recentmente. Esta 6ªf, 19, às 22h, no CCVF.

Abaixo, o 5teto de Rubalcaba ao vivo, este ano, em Espanha.

 

19
Nov10

Descubra as Diferenças

jazza-me

(Fotos daqui e daqui)

 

O debate político avesso ao politicamente correcto, com um pé na blogosfera.

 

- Ricos Contra Pobres – Com as crises orçamentais de alguns estados europeus, há quem avise que a falta de solidariedade dos países mais ricos condicionará o futuro da União Europeia. Não há quem queira pagar a factura?

 

- Governo – Com todas as atenções postas no combate ao défice orçamental, o governo parece ter-se reduzido aos cortes na despesa e ao aumento dos impostos. Não há mais nada que possa ser feito para ultrapassarmos a presente crise?

 

- Cimeira da NATO – Realiza-se este fim-de-semana mais uma cimeira da NATO, desta vez em Lisboa. Que novidades poderemos esperar deste evento?

 

Esta semana, André Abrantes Amaral e Antonieta Lopes da Costa em debate com Miguel Botelho Moniz (do blogue O Insurgente) e Manuel Pinheiro (do blogue O Cachimbo de Magritte).

Os programas anteriores estão aqui.

 

6ªf, 19 de Novembro- 18h

Domingo, 21 de novembro- 19h

18
Nov10

Rádio Blogue: portugueses ao volante

jazza-me

 

Este fim-de-semana relemos as opiniões sobre o Facebook, a partir da crónica de Carla Hilário Quevedo, publicada aqui em parceria com o jornal Metro.

 

Com Carla Hilário Quevedo e Antonieta Lopes da Costa

6ªf, 19 de Novembro- 10.35/ 19.35

Domingo, 21 de Novembro- 18.35

 

No próximo domingo, 21, assinala-se o Dia Europeu em Memória das Vítimas da Estrada. Porque é que os portugueses correm tantos riscos ao volante? Deixe o seu comentário, se preferir, através do 21. 351. 05. 90, até às 16h da próxima 5ªf.

 

Portugueses ao volante

Vejamos alguns títulos só do Jornal de Notícias entre os dias 2 de Novembro e 18 do mesmo mês: «Colisão no IP4 fez um morto e cinco feridos»; «GNR registou 1452 acidentes na operação Todos os Santos»; «Acidentes fizeram 602 mortos até Outubro»; «Seis mortos num dia ‘negro’ nas estradas»; «Dois feridos graves em Tondela num acidente que envolveu táxi com crianças»; «Dois acidentes de moto fazem dois mortos»; «Acidente com autocarro em Lagos fez um morto»; e «Despiste na serra da Agrela causa um morto». As notícias sobre acidentes rodoviários graves sucedem a um ritmo quase diário. Em Portugal é infelizmente comum morrer na estrada. Ou ficar incapacitado na sequência de um desastre de viação. Paulo Marques, presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, informou num congresso sobre o tema que entre Janeiro e Abril deste ano morreram nos hospitais 275 pessoas em resultado de acidentes de trânsito. No ano passado, durante o mesmo período, houve 204 óbitos contabilizados até à entrada do hospital. Os peões, até agora ignorados pelas estatísticas, vieram ainda aumentar os números das vítimas da estrada. Quanto aos motivos por que estes acidentes acontecem sabemos o suficiente para nos parecerem evitáveis. Excessos de velocidade, álcool ou cansaço são algumas das explicações conhecidas. Há, no entanto, outra menos falada e igualmente nociva para si próprio e para os outros: o excesso de confiança ao volante. A soberba é observada sobretudo em condutores em localidades pequenas e também nos meios urbanos. Esta atitude de indiferença pelos que partilham um espaço comum é, no meu entender, a base do problema. No entanto, nem as campanhas mais explícitas nem a frieza dos números têm levado os condutores a modificar a sua atitude na estrada. O Dia Europeu em Memória das Vítimas da Estrada, celebrado este ano a 21 de Novembro, é uma iniciativa emotiva em que é evocada publicamente a memória dos que perderam a vida ou a saúde nas estradas e ruas portuguesas. São iniciativas como esta que podem chegar a modificar o comportamento das pessoas ao volante? Porque são os portugueses tão arriscados a conduzir?

18
Nov10

Internacional Europa

jazza-me

Nicolas Sarkozy e François Fillon; Cimeira da Nato, Lisboa (daqui)

 

No seu espaço de comentário e informação, o advogado e consultor político Nuno Wahnon Martins radiografa os temas da actualidade internacional que marcaram a semana, com especial atenção para os assuntos que mais directamente se relacionam com o dia-a-dia político, económico e social do espaço da União Europeia. Esta semana:

 

- A remodelação de Nicolas Sarkozy: no início da semana, François Fillon apresentou a demissão mas foi reconduzido no cargo de primeiro-ministro.

 

- Cimeira da Nato: o Irão, a Turquia e o sistema de defesa antimíssil.

 

Com Nuno Wahnon Martins

6ªf, 19 de Novembro- 8.15

Sábado, 20 de Novembro- 18.15

18
Nov10

Ao vivo

jazza-me

António Pinho Vargas, André Sarbib

 

É bem rica, a agenda jazz dos próximos dias, começando, já esta tarde, pelo concerto de António Pinho Vargas no Museu de São Roque. Em piano solo, o músico irá percorrer as peças gravadas nos discos Solo (2008) e Solo II (2009)- um repertório de composições originais e versões de temas de Bob Dylan e Zeca Afonso. Esta 5ªf, 18, no Largo Trindade Coelho, ao Bairro Alto, a partir das 18h.

Outro pianista e compositor, André Sarbib termina amanhã uma residência de uma semana no Casino Estoril. This Is It, o disco mais recente de Sarbib, de standards do jazz interpretados em voz e piano, ganham nova abordagem em duo de piano e percussão, com João Cunha, o músico que acompanha Sarbib, esta 5ªf, 18, e 6ªf, 19, no Estoril, às 21.45 e às 23h, com entrada livre.

 

 

A noite, no Onda Jazz, é de tributo a Bill Evans, com um 4teto formado pelo pianista Victor Zamora, Nelson Cascais (contrabaixo), João Moreira (trompete) e Bruno Pedroso (bateria). Esta 5ªf, 18, em Alfama, a partir das 22.30.

No bar Páginas Tantas voltamos a ouvir o saxofonista Gonçalo Prazeres e o guitarrista Ricardo Barriga, amigos e cúmplices musicais, numa noite intimista, esta 5ªf, 18, a partir das 21.30. Ao Bairro Alto.

 

Nobody's Bizness

 

O colectivo Nobody's Bizness anda há vários anos nos palcos, ensaiando os blues de Robert Johnson, Alberta Hunter, Bessie Smith, Skip James e Muddy Waters. No seu segundo disco, It's Everybody's Bizness Now, que hoje apresentam no Maxime, os Nobody's Bizness cantam clássicos dos blues e temas originais. Em palco estão Petra (voz), Luís Ferreira (guitarras ), Catman (voz, harmónica e piano), Pedro Ferreira (guitarras), Luís Oliveira (baixo) e Isaac Achega (bateria e percussão). 5ªf, 18, no Maxime, Praça da Alegria, às 23h.

 

 

Em Guimarães prossegue a edição 2010 do Guimarães Jazz. Depois do concerto do 5teto nova-iorquino The Story, ontem, a noite de hoje pertence ao saxofonista Charles Lloyd, um músico que entende a arte como uma procura espiritual. O seu novo quarteto, formado por Jason Moran (piano), Reuben Rogers (contrabaixo) e Eric Harland (bateria), tem vindo com alguma regularidade a Portugal, mas toca pela primeira vez em Guimarães. O concerto deverá centrar-se nas peças de Mirror, o disco que acaba de lançar pela ECM (excertos no vídeo acima). 5ªf, 18, no Centro Cultural Vila Flor, às 22h.

18
Nov10

Perguntas Proibidas

jazza-me

"Pare, Escute, Olhe", de Jorge Pelicano; "Encontros" de Pierre-Marie Goulet

 

No Perguntas Proibidas da semana, em parceria com o Instituto da Democracia Portuguesa, Mendo Henriques entrevista o produtor de cinema Paulo Trancoso.

Nascido em Lisboa, em 1945, Paulo Trancoso frequentou Medicina e Arquitectura mas foi o audiovisual que o conquistou depois de ter começado a actividade profissional como jornalista e crítico de cinema, trabalhando com António-Pedro Vasconcelos, João César Monteiro e Lauro António. Será homenageado no 31º Fantasporto, em Março de 2011, pela sua carreira e contribuição para a Sétima Arte. Produtor, com uma visão global do cinema, começou cedo a trabalhar em todas as áreas multimédia. Em 1982 fundou a Costa do Castelo, uma das mais dinâmicas produtoras do panorama nacional e europeu. O cinema português deve-lhe alguns dos mais destacados êxitos de bilheteira, como são os casos de A Selva de Leonel Vieira ou Duas Mulheres de João Mário Grilo. Ele é quem está por detrás das co-produções A Casa dos Espíritos, de Billie August, e A Rainha Margot de Patrice Chéreau. Se na ficção dá cartas, o documentarismo deve-lhe muito- dois bons exempos são Encontros, de Pierre-Marie Goulet e o recente e premiado Pare, Escute, Olhe. Esta faceta revela, aliás, o activista cívico do ambientalismo que ele também é, tendo fundado, com Ribeiro Telles, o Partido da Terra, de que é actualmente presidente do Conselho Nacional.

Os programas anteriores estão aqui.

 

5ªf, 18 de Novembro- 18h

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Emissão online:

clique para ouvir a emissão da europa




Rádio Europa Lisboa
Rua Latino Coelho, 50 - 1º
1050-137 Lisboa, Portugal
Tel.: 21 351 05 80

Email   Estamos no Facebook   Siga-nos no Twitter

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D