Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jazza-me muito...

O JAZZ SUBIU-NOS À CABEÇA!

O JAZZ SUBIU-NOS À CABEÇA!

jazza-me muito...

13
Mai10

Rádio Blogue: Namoros

jazza-me

Bus (Soopahgrover) e Suitcases (Phineas H)

 

Em final da semana recuperamos os comentários à visita de Bento XVI a Portugal...

 

... com Carla Hilário Quevedo e Filipa Paramés

6ªf, 14 de Maio- 10.35/19.35

Domingo, 16 de Maio- 18.35

 

Entretanto já temos novo tema de debate em parceria com o jornal Metro. O texto, como sempre, é assinado por Carla Hilário Quevedo. Dê-nos a sua opinião, se preferir, através do 21.351.05.90, até às 16h da próxima 5ªf.

 

Namoros

Do país considerado o mais feliz do mundo chega uma notícia divertida. Durante duas semanas, cem autocarros em Copenhaga vão ter cerca de 250 lugares reservados a solteiros, casados e disponíveis para namorar. O topo encarnado dos assentos indica que quem estiver ali sentado está livre para falar com qualquer pessoa que se queira sentar ao seu lado. A empresa de transportes dinamarquesa Arriva pretende assim seduzir os que andam de carro na cidade, prometendo uma possibilidade de romance no autocarro em troca do automóvel parado na garagem. O porta-voz da Arriva, Martin Wex, afirma que «nunca se sabe o que pode acontecer», mas tem o cuidado de acrescentar que «nada garante que se encontre a pessoa dos seus sonhos». O grande inimigo desta ideia engraçada é a hora de ponta. O que acontece quando o autocarro estiver cheio e os «lugares do amor» forem os únicos disponíveis a grávidas, crianças e pessoas de idade? Ou a quem esteja cansado e queira ir sentado a ler e a ouvir música no regresso a casa? Adivinho vários mal-entendidos nos autocarros de Copenhaga. Ah, mas nada mais romântico que um começo do género: «Alegre? Sozinha? Cansada?». Se um equívoco sorridente pode estar no início de um namoro, o fim deve ser vivido com abundância de lágrimas. Esta é a conclusão de um estudo realizado por um investigador da Universidade do Utah. Christopher Fagundes reuniu sessenta e cinco estudantes universitários separados após terem namorado mais de quatro meses. Os mais afectados com o fim da relação utilizaram palavras feias para descrever a meia laranja que lhes tinha saído podre. Um mês depois, estes tinham ultrapassado melhor a crise amorosa do que os mais contidos nas palavras, que continuavam a sofrer. O estudo concluía ainda que a família e os amigos podiam ajudar, dizendo o pior possível daquele ou daquela que partira o coração alheio. Um final intenso e dramático, de preferência com claque, é apresentado como o mais saudável para partir para outra, por assim dizer. As pessoas têm dificuldades de relacionamento? Qual é a melhor maneira de acabar um namoro?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Emissão online:

clique para ouvir a emissão da europa




Rádio Europa Lisboa
Rua Latino Coelho, 50 - 1º
1050-137 Lisboa, Portugal
Tel.: 21 351 05 80

Email   Estamos no Facebook   Siga-nos no Twitter

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D